NOTA DE REPÚDIO

A Convenção Evangélica das Assembleias de Deus do Distrito Federal (CEADDIF), através de seu Presidente – Pastor Geovani Neres Leandro da Cruz, vem por meio desta Nota manifestar seu público REPÚDIO ao conteúdo produzido pelo escritor Anderson França do Jornal Metrópoles.  

Em coluna do referido jornal, o “ativista, roteirista e escritor” Anderson França publicou em 28/08/2020 uma matéria intitulada “Todo castigo pra crente é pouco”, na qual, tomando o caso da senhora Flordelis de repercussão nacional, ataca e desrespeita a comunidade evangélica brasileira.  

Em tom satírico e irresponsável, o escritor comete um verdadeiro crime contra a honra da Igreja Evangélica brasileira por meio da linguagem e opiniões que emprega. Ao usurpar da prerrogativa à liberdade de expressão, se vê no direito de caluniar, injuriar e difamar a Instituição e o corpo místico de Cristo Jesus atribuindo, por sinédoque, aos pastores e membresias evangélicos a responsabilidade de homicídios, sexismos, racismos, homofobias, entre outros. Práticas com as quais não compactuamos e, inclusive, condenamos. 

Portanto, dentro do marco legal e democrático em que se insere a Igreja Cristã Evangélica, com respeito às falácias apresentadas na matéria em questão, REPUDIAMOS o conteúdo e as acusações perpetradas por Anderson França, nos seguintes termos: 

  1. A Igreja Evangélica protestante não é produto de uma dissidência do catolicismo romano. Antes bem, é resultado histórico e espiritual de uma REFORMA dos aspectos que estavam sendo distorcidos com respeito aos dogmas e práticas cristãs; 
  1. A experiência ou conduta negativa (tomando os valores bíblicos e republicanos como referência) de algum indivíduo, que compôs ou compõem a comunidade evangélica, não pode por metonímia moral ser a fiel representação de todos os membros. A sra. Flordelis, entre outros citados, que se desviam dos valores ensinados por Cristo não representam a Igreja;    
  1. A liberdade de expressão jornalística não prescinde do respeito à dignidade dos evangélicos ou de quem quer seja. Nosso direito começa quando o seu termina! O seu direito à livre manifestação de opinião tem limite quando a honra da Igreja é violada, violentada – ainda que verbalmente; 
  1. É inegável e reconhecível que a comunidade evangélica tem contribuído contundentemente para a transformação positiva de nossa nação, na busca de uma sociedade justa, igualitária e livre defendendo os valores do Estado Democrático de Direito. Inúmeras obras sociais e de ajuda humanitária são testemunhas incontestes do papel cívico dos verdadeiros cristãos evangélicos; 
  1. Seria de bom tom que o Jornal Metrópoles, como veículo de comunicação em massa e o Sr. Anderson França, como formador de opiniões divulgassem nota manifestando uma necessária retratação, fazendo “separação entre o joio e o trigo”. 

No demais, estimamos que todos possamos nos unir e conviver em harmonia, ainda que divergindo de opinião e expressão religiosa. Respeito sempre! 

“E, sobre tudo isto, revesti-vos de amor, que é o vínculo da perfeição.” 

Colossenses 3.14 

 

Atenciosamente:

Pr. Geovani Neres Leandro da Cruz 

Pastor Presidente da CEADDIF